O Filho da Lavadeira

20/06/1989.

Andei notando que o Robertinho vai mal na escola, como, aliás suas irmãs Sônia e Ana Célia. Como essas duas, mesmo por problemas visuais, manifestam ojeriza pela leitura, imaginei um meio de colocar pelo menos o Robertinho no trilho. Ele já está na lição do pato, mas não sabe ler nada – nem “pato”. Parece-me muito desmotivado.

Comecei, há dias, tentando ensinar-lhe duas palavras por dia, usando uma grande motivação: Ncz$ 0,05 por palavra. No primeiro dia escrevi com caneta hidrográfica uma palavra de grande significado para ele – “pão” – e outra – “não” – que inicia um dos avisos que coloquei na casa (“Não gosto que entrem neste quarto!”). No segundo dia “tomei a lição” do dia anterior e lhe mostrei duas novas palavras: “leite” e “nescau”.

Ontem, segunda-feira, apresentei “papai” e “mamãe”, já pensando em seguir o roteiro – com algumas adaptações – do antigo livro “Quem Sou Eu?”, de Terezinha Rocha. Nesse roteiro, à medida que aprende novas palavras a criança segue o desenvolvimento de um conto.

Hoje, antes de novas palavras, fiz um teste com as seis primeiras. Robertinho trocou tudo; só acertou no “não”. Agora à tardinha fiz um reforço; vamos ver se dá resultado.

Além da Sônia, nove anos, e Ana Célia, quinze, Robertinho tem outra irmã, Aline, de 13. Esta é a melhor figura do quarteto. Os outros três parecem debater-se com sérias situações de inferioridade. Ana Célia está ainda na terceira série e usa óculos de grossas lentes (miopia); aqui em Wemmick, sempre aparece, mas nada fala se eu não puxar conversa. Sônia vive insultando Ana Célia, e mais ainda Robertinho, como que querendo desvincular-se de dois pesos psicológicos. Robertinho, com sete anos, é muito pequeno para a idade. Na rua, sempre saiu-se bem pela esperteza, apesar de levar alguns tabefes ocasionais; mas a escola parece ter-lhe apontado novas inferioridades.

Hoje, na hora da escola, como sempre fazem, Robertinho e Sônia aqui fizeram escala. Numa discussão, Sônia fazia a Robertinho gestos obscenos, reforçando-os com a expressão “enfia no cu!”. A uma réplica do garoto ela ia dar-lhe um tabefe (é bem mais alta, e ligeiramente gordinha). O menino ao saltar para trás, escorregou e caiu de boca no chão. Chorou e foi lá para fora cuspir o sangue de um pequeno corte.

robertinho02i

21/06.

Ontem ainda ensinei ao Robertinho as palavras “e” e “é”, chamando-lhe atenção para o som aberto desta última. Depois, mais à noite, achei melhor reduzir as oito fichas iniciais a “mamãe”, “papai” (que logo aparecerão na “Quem Sou Eu?” adaptada), “e” e “é” (idem).

Hoje, na hora do almoço, peguei uma folha de sulfite, com pequena transparência, e dobrei-a ao meio. A primeira nova folha coloquei-a sobre a página 2 do livro-cartilha, copiando a figura de Dudu. Ao lado da figura, em vez de “Sou Dudu”, escrevi, em letras (as maiúsculas) de 7,5 mm, “Este é Dudu.” Na segunda folha, novamente a frase, e ao seu lado a repetição em cursivo. Abaixo desta, 8 linhas para Robertinho copiar a frase.

Agora à tardinha o Robertinho apareceu, querendo “apostar” (Ele aposta que acerta os exercícios de leitura e escrita, e eu devo apostar o contrário; se ele ganhar, leva Ncz$ 0,10). Junto com ele estava o Rodolfo, um loirinho de olhos azuis, muito bonito, do mesmo tamanho mas menos magro que o meu protegido. Parece que Rodolfo é ainda mais atrasado do que o Robertinho.

Pois bem, Robertinho, com as quatro palavras, saiu-se melhor, e resolvi passar ao “Dudu”. Depois de explicar-lhe as palavras, dei-lhe a tarefa de copiar a frase. Ele escreve ainda com muito dificuldade; talvez por segurar o lápis muito próximo à ponta. Vou averiguar isto. Rodolfo quis, também, fazer o exercício, e fez duas cópias estropiadas.

rob03c

Antes da “aposta”, quando eu estava junto ao forno do quintal, Rodolfo, sem mais nem menos (assim me pareceu) disse que poderia bater no Robertinho. Este aceitou o desafio, e daí a pouco ambos rolavam pela terra. Depois que se separaram, a meu pedido, Robertinho cantou vitória, mas parece-me haver ocorrido empate, pois tanto um quanto o outro esteve ora por baixo, ora por cima. Mas Rodolfo reconheceu a derrota, culpando porém a sua bolsa de pano. “Se não fosse ela eu tinha ganhado”, garantiu ele. Logo estavam reconciliados, e já na sala, quando Robertinho mostrou-lhe aquelas quatro fichas de palavras, lendo-as corretamente, Rodolfo admirou-se de que Robertinho “sabia tudo!”.

Depois da “aposta”, insisti com Rodolfo para que fosse embora, pois já estava escuro e sua mãe ficaria preocupada. Ele quis que o Robertinho o acompanhasse. “Você tem medo de ir sozinho?”, perguntei. Ele assentiu.

Assar pão no forninho de barro é toda uma ciência. Hoje não deu certo: coloquei a assadeira com o forno quente demais, e daí a cinco minutos a parte de cima já estava quase preta e a debaixo e do meio, cruas. Um desastre. Só pude consertar o erro no forninho do fogão a gás, e mesmo assim só transformando o pão em fatias torradas.

Hoje, pela primeira vez nestes oito meses de solteirice, almocei na casa de outra pessoa, o colega de serviço Mauro, a quem talvez venda o meu Fusquinha. À tarde, quando chegava da repartição, lá me esperava Dona Joaninha, senhora de 93 anos. É que, e isto eu já sabia, os dois milheiros de tijolos que lhe prometi ainda não haviam sido entregues pela cerâmica. Esta havia prometido a entrega para terça ou quarta-feira passadas…

25/06.

Ontem introduzi as palavras “Esta” e “Mimi”, chegando novamente ao total de oito. Planejei para hoje apenas exercícios de fixação. Mas nem chegamos a eles, pois desanimei. Na leitura inicial, Robertinho errou “Dudu” (a primeira ficha apresentada) e prosseguiu na pura adivinhação.

28/06.

Acho que a motivação dos dez centavos por dia (mesmo sem palavras novas eu estou pagando) não foi suficiente. Em parte, talvez, por causa dos jornais lidos. Com três ou quatro dias, há um bom peso em jornais, e costumava dá-los ao Robertinho ou à Sônia. Outro dia Robertinho obteve Ncz$ 0,50; hoje, a Sônia obteve Ncz$ 1,10. É, para Robertinho Ncz$ 0,10 virou café pequeno. Dos Ncz$ 1,10, Sônia lhe deu Ncz$ 0,20, que ele rasgou e jogou fora!

Vou adotar nova estratégia. Não vou mais dar os jornais, mas usá-los como pagamento. Com o Robertinho, pagamento por palavra nova realmente aprendida. Com a Sônia, por pequenos serviços (duvido que ela tope) como varrer a casa ou lavar os pratos e talheres. Cada edição dos jornais deve valer uns Ncz$ 0,25 para as crianças; assim, posso dar, por tarefa, metade das folhas dos jornais.

Vou “cortar” as frutas, pois o Robertinho, generoso, acaba virando fornecedor de todo o bairro. Outro dia lhe expliquei que dava as frutas a ele, porque era amigo dele, e que não iria dar aos outros garotos que ele convidava. Pois bem, a partir daí ele pega as frutas e as entrega aos colegas lá na rua. Fiz uma re-análise e achei que o Robertinho, na verdade, não se encontra em situação de inferioridade e não precisa dessa ajuda extra, que só faz torná-lo excessivamente confiante. Tão confiante que a inferioridade na escola não o abala (tirou 2 numa prova e 4 em outra; é um dos mais atrasados de sua classe, segundo me informou sua irmã). Continuarei apenas com os pães, e assim mesmo com cotas restritas.

Ontem fiz pão de novo. Aumentei a receita, para aproveitar melhor a queima de lenha no forninho de barro. Em vez de 500 g de farinha, utilizei 850, separando a massa em dois pães. Controlei bem a temperatura do forno, e o pão saiu ótimo – talvez o melhor resultado que já consegui. Hoje, se tenho 2 fatias para amanhã cedo foi porque as encondi no forninho do fogão.

(Pois é, a solteirice acabou e as crianças já não podiam entrar livremente pela casa. Perdi contato com elas).

12 Respostas to “O Filho da Lavadeira”

  1. robert e dany Says:

    o texto é meio legal mais muito sem graça poderia ser melhor mais para o autor continue fazendo por que com certeza uma hora vc vai acertar.
    _____
    do blog:

    Obrigado pela opinião, Robert e Dany!

  2. Pimentinha Says:

    Entendi mal ou refere-se a Wemmick como lugar?
    _____
    resposta do blog:

    Pimentinha:

    Wemmick é um lugar, mas numa obra do Charles Dickens. Uma espécie de chacrinha onde o personagem exerce toda a sua criatividade. Por exemplo, quando uma visita abre o portão, longe da casa, uma bandeirola muda de posição dentro da casa, servindo como aviso de visitas. Isto no século XIX. Parece que é do livro “Grandes Esperanças”. Esse personagem é para mim fonte constante de inspiração. Outro personagem inesquecível de Charles Dickens, a Inês de “David Copperfield”, me passa a imagem de Mulher Ideal…

  3. marta helena martins Says:

    Oi tudo bom?Vim matar a saudade do seu blog.Abraços da amiga MARTA
    _____
    do blog:

    Obrigado pela visita, Marta! Vou retribuir, visitando o seu blog, onde sempre encontro belas e interessantes fotos…

  4. Pimentinha Says:

    “David Copperfield” é uma delícia. Oxalá todas as histórias de amor tivessem idênticas (segundas) oportunidades. Não logrei, ainda, conhecer Wemmick. Oxalá seja breve.
    _____
    do blog:

    Bom, Pimentinha, a minha Wemmick agora é a chácara. Não tenho inventado nada, mas o carinho é o mesmo que aquele personagem devotava à sua (dele) Wemmick…

  5. Pimentinha Says:

    Em descanso forçado, convalescendo de um procedimento cirúrgico (tudo sob controle), tenho tido uma overdose de TV, e ainda com tempo de sobra para ‘namorar’ o Guia Brasil e me empanturrar de palavras cruzadas, consegui, enfim, terminar de ler “O Livreiro de Cabul”, de Asne Seierstad, que, há muito, estava ‘encalhado’ na minha estante – um documentário belíssimo de uma realidade não tão bela.
    Agora, estou me deliciando a cada página com o surpreendente (mesmo) “Cartas Entre Amigos Sobre Medos Contemporâneos”, do meu ‘ídolo’ Gabriel Chalita e do meu, até então, desconhecido, Fábio de Melo. É um livro para se ler ‘vagabundamente’ (…), cheio de ‘recônditos que escondem preciosidades’, apropriando-me de uma frase do Padre Fábio. Mal comecei e já tive superadas todas as expectativas.
    _____
    do blog:

    Pimentinha:

    Dias atrás vi os dois, Chalita e Padre Melo, no “Sem Censura”, da TV Brasil, programa da Leda Nagle. Os dois são muito articulados…
    Espero que melhore logo e tenha grandes novidades para contar…

  6. Pimentinha Says:

    Melhorando, obrigada. Como está, Timblindim? A novidade boa é que o Coral Guiomar Novaes participou da fase estadual do Mapa Cultural Paulista, que aconteceu no último dia seis no Memorial da América Latina (lugar incrível), em São Paulo, e se desincumbiu muito bem de seu mister. Agora, é esperar a publicação do calendário para as quatro apresentações que terá que fazer em regiões diversas do Estado, ainda neste ano.
    _____
    do blog:

    Jóia, Pimentinha! Mandei-lhe um e-mail para apressar o restabelecimento…

  7. Pimentinha Says:

    Como está, Timblindim?
    _____
    do blog:

    Hoje não estou muito bem, Pimentinha. Acabo de chegar do dentista, onde fiz uma sessão de tortura que durou 2 horas (preparação para implante dentário). Espero que não tenham ficado muitos outros pecados para pagar…

    No mais, tudo bem. Fui obrigado a fazer escolhas, e como não posso tocar todos os projetos que almejo realizar, tenho que desistir de uns para que outros sigam em frente (do contrário não termino nenhum). A reforma da casa é um projeto que abandonei (a proprietária vai pagar para um pedreiro terminá-la).

    Acho mais essencial, para mim, continuar o envolvimento com as plantas (estudo de espécies novas para mim, ajuda a exemplares em perigo, documentação fotográfica e alimentação do blog).

    Nesse mês em que a propaganda eleitoral continua, desligo tudo (já sei há séculos em quem votar), pego CDs antigos e ocupo bem o meu tempo. Reassisti ontem ao Lago dos Cisnes, com Margot Fonteyn e Rudolf Nurejev. O cenário, os figurinos e as bailarinas (não me agradam os pesados bailarinos com suas bundas à mostra) são excepcionais. Se eu tiver que ir para algum céu, quero um céu cheio de bailarinas (sem bailarinos e homens barbudos, por favor) para olhar e, se for permitido e eu estiver revigorado… tcham tcham tcham tcham!…

    Um beijo.

  8. Pimentinha Says:

    Certamente a ala feminina não entenderia por tal o “seu” céu, Timblindim. Aliás, a serem considerados os seus sonhos, haveriam de existir “céus” individuais, mas, desejar é permitido e saudável.

    “Bandonô” o Timblindim II?

    Recebi e gostei:

    “Acaso

    Cada um que passa em nossa vida
    passa sozinho, pois cada pessoa é única
    e nenhuma substitui outra.
    Cada um que passa em nossa vida
    passa sozinho, mas não vai só
    nem nos deixa sós.
    Leva um pouco de nós mesmos,
    deixa um pouco de si mesmo.
    Há os que levam muito,
    mas há os que não levam nada.
    Essa é a maior responsabilidade de nossa vida,
    e a prova de que duas almas
    não se encontram ao acaso.”
    (Antoine de Saint-Exupéry)

    Beijo!
    _____
    Pois é, Pimentinha! Ainda não achei tempo para o outro timblindim. Quanto ao cantinho particular no céu, é possível, já que lá seria um lugar “infinito”, e portanto com lugar pra todo mundo… No meu pedaço, um bosque cheio de ninfas, e uma clareira para as bailarinas…

  9. Pimentinha Says:

    Constato que Jarbas Similevinsk passou por aqui. Que coisa boa!

    __________

    Valdir diz:

    Mas ele ainda tem muito que melhorar, Pi! Reze por ele!

  10. Pimentinha Says:

    Oi, Tim. Como está?
    ____________________
    Valfree responde:

    Que sumiço o teu, hem?!
    Estás disponível para contares as novidades?

  11. Pimentinha Says:

    Então, menino, entendi ser conveniente ficar um pouco afastada, mas sem nunca perdê-lo de vista, você sabe. . .
    Há novidades, mas continuo trabalhando e aguardando, impaciente, a aposentadoria que já deveria ter saído.
    Como está você? And the freedom?

    Abraço de Little Pepper.
    _______________
    Bem, Pi. O Eterno Otimista (mas com algumas tropeçadas no Pessimismo). O resto contei em e-mail. Mas parece que você só vai ler daqui a alguns dias. Ou (toc, toc, toc) depois do recesso de fim de ano. Abra uma conta de e-mail no gmail (ou hotmail, ou yahoo) ou (mangalô três vezes) na grobo.com!

  12. Pimentinha Says:

    Valeu, Tim.
    Finalmente abri uma conta gmail. Mandei uma mensagem. Caso não tenha conseguido, tente mandar um para mim. É (meu sobrenome)pimentinha@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: