Cuba, Pala, Cuba

Incentivado pelas noticias recentes sobre inevitáveis mudanças políticas em Cuba, reli “Furacão Sobre Cuba”, de Jean Paul Sartre, e depois “Cuba – Uma Nova História”, do inglês Richard Gott.

Sartre, escrevendo nos primórdios da Revolução de Fidel Castro, foi compreensivelmente indulgente com o novo regime, desde o início fustigado pelo gigante estadunidense (ou dunidense, para homenagear o tradicional reducionismo capitalista) , que tem uma pata, a Flórida, bem pertinho da Ilha de Fidel. Gott, por sua vez, tem uma visão mais equilibrada dessa ilha, não escondendo que o pequeno país do Caribe veio passando, desde os tempos de Colombo, pelas mãos de sucessivos colonizadores: primeiro os espanhóis, depois os dunidenses e finalmente os soviéticos, dos quais se livrou, involuntariamente, ainda nos idos dos anos 1990. Cuba acabou finalmente livre, mas embargada, assediada, boicotada e “empobrecida”.

Lidos esses livros, por associação livre me veio à mente a obra de Aldous Huxley, “A Ilha”, exatamente sobre um país-ilha (“Pala”) pobre mas feliz, rodeado de inconfiáveis vizinhos destrambelhado-capitalistas. Fico tentado a imaginar que Huxley se inspirou na Revolução Cubana para descrever, em 1962, a sua utópica ilha; e também que a Revolução Cubana se inspirou largamente (e em alguns casos com sucesso) nas notáveis experiências da fictícia ilha palanesa.

As experiências bem sucedidas em Cuba se referem à Saúde (com sua Medicina Preventiva), à Educação (com seus indicadores provavelmente finlandeses; o PISA/OECD finge que a ilha não existe) e à virtual erradicação da Criminalidade (devido ao desestímulo à competição capitalista e à imunização do país contra o consumo de drogas, exceto álcool e tabaco). A Grande Imprensa (e até a imprensa alternativa) tem se preocupado, entretanto, em apenas mostrar os pontos fracos da Ilha caribenha. Assim, dão ênfase à minguante frota automotiva daquele país, com seus carros modelo 1958, à ausência de i-phones, i-pads e i-pods, e à falta da liberdade para conspirar (a favor de potências estrangeiras).

Parece-me evidente que um regime político verdadeiramente civilizado seria um misto de capitalismo e comunismo. Ou, melhor dizendo, um regime que combinasse o melhor do Capitalismo (melhor para a maioria) e o melhor do Comunismo (apenas lembrando que Jesus Cristo, para mim mero profeta de suas próprias ideias, pode ser considerado um forte simpatizante da idéia igualitária). Isto foi até tentado, com a Social-Democracia européia. Mas a Vontade de Poder, citada por Nietszche e depois explicada por Adler, de uns poucos (relativamente à população humana da Terra) decrepto-psicóticos impede essa mistura, preferindo combinar o pior do Capitalismo (eficiência em devastar o Planeta) e o pior do Comunismo (manipulação das massas por vigilância onipresente e técnicas de “lavagem cerebral”). E assim a Social-Democracia acabou esvaziada, tornando-se uma caricatura de si mesma (vejam, no Brasil, o PSDB…).

A experiência cubana devia ser analisada por todos os ângulos, podendo certamente oferecer um rico material para o benefício de todos os países da Terra, seja pelo aproveitamento das idéias que deram certo, seja pelo descarte das idéias e projetos mal conduzidos. Tomara que os citados e senis “donos do planeta” sejam logo substituidos por pessoas mais jovens e de mente mais aberta, ascendidas por méritos próprios e por consensos democráticos…

_____

Livros citados: 1. “Furacão sobre Cuba“, Jean Paul Sartre, Editora do Autor, Rio, 1986; 2. “Cuba – Uma Nova História“, Richard Gott, Jorge Zahar Editor, Rio, 2006; e 3. “A Ilha“, Aldous Huxley, Editora Globo, Rio, 13a. edição, 1987.

Anúncios

Uma resposta to “Cuba, Pala, Cuba”

  1. A. Carlos Says:

    Não necessariamente por pessoas mais jovens, mas por pessoas comprometidas por um mundo mais humano, mais igual, mais fraterno, mais justo, mais solidário, mais alegre, mais…
    _____
    do blog:

    Tem razão, A. Carlos. Senilidade não tem necessariamente que ver com idade avançada. Sem contar que há jovens por aí com certezas absolutas e inflexibilidades senis…

Os comentários estão desativados.


%d blogueiros gostam disto: