O Que é “Votar Certo”

A poucos dias das eleições municipais o Eleitor Brasileiro sente-se de saco cheio com a maciça e invasiva propaganda eleitoral. A começar com aquela, caríssima e massacrante, da própria Justiça Eleitoral. Caríssima, massacrante e ridícula.

Algumas mensagens da JE (“as eleições serão realizadas no dia 5 de outubro de 2008…”) parecem destinar-se a alienígenas recém-chegados ao planeta, ou a eleitores que acabaram de chegar de Marte, após ausência de 30 anos. Misturada com peças surrealistas (a única passável – e apenas pelo talento do artista – é aquela do rapaz que sapateava compulsivamente) ou imersas em pieguismo (artista global grávida), aparece a insistência da JE com que se deve “votar certo”. Só que, quando tenta explicar o que é “votar certo”, o faz canhestra e equivocadamente. Votar certo seria “verificar o passado do candidato” e “escolher as melhores propostas”.

Ora, um andromedano recém-chegado ao Brasil (ou nos Estados Unidos, Colômbia, Bolívia, França, etc.) descobriria em 3 dias que o candidato a cargo executivo (agora, prefeito) é apenas uma “figura de proa”, destinada, de um lado, a distrair o grosso da população com circo e pão (freqüentemente, circo e migalhas de pão), e de outro administrar conflitos dentro do grupo de poder que o impôs ao eleitorado. Desta forma, produtivo não é examinar o passado individual do candidato, mas sim, o passado do grupo que o patrocina. Como o grupo geralmente não aparece (forças ocultas?), precisamos lidar com a parte que aparece, ou seja, o Partido Político, o chefe do Executivo e os detentores de cargos em comissão (secretários municipais, chefes de autarquias, etc.).

“Passado”, aqui, é o período administrativo que está para se encerrar. Deveria o eleitor examinar o que a administração atual, ou a parte visível do Poder, fez desde 1º de janeiro de 2005. Vejamos:

a) Nesse período houve melhora ou piora das condições da população relativamente a educação, saúde, segurança e exercício da cidadania?

b) A prefeitura privilegia determinadas classes, enquanto persegue outras com multas injustas, notificações de ilícitos inexistentes, aumento abusivo de tarifas, etc?

c) A prefeitura se empenha em realizar, por conta própria ou através de terceiros, adequada manutenção (limpeza e funcionalidade) dos locais públicos? Ou a prefeitura só quer saber de obras novas (por que será, hem?) ?

d) Quanto às obras, a parte mais visível da administração, é preciso analisar cada uma:

  • ela era necessária?
  • ela resolveu o problema?
  • ela criou outros problemas (por exemplo, asfaltamento de grandes áreas sem análise do impacto ambiental, tudo isto resultando em enchentes) ?
  • ela foi realizada por um preço justo?
  • ela é realmente uma obra, ou manutenção disfarçada (“revitalização”) de obra?

Mas vejamos a história de eleger quem apresenta “as melhores propostas”. Com algumas coligações dispondo de 40 minutos diários, no rádio e na TV, para suas perorações, e outras apenas 2, a JE parece estar propondo que o eleitor vote nas coligações majoritárias, independentemente de terem ou não o “melhor candidato”… Sem contar que quem tem mais dinheiro pode apresentar “melhores propostas” (confundidas com “mais bonitas”), cheias de gráficos, maquetes, ufanismos, etc. Vemos então que essa sugestão da JE é um tanto equivocada.

A propósito…

1. Aqui em Mato Grosso do Sul parece que a Justiça Eleitoral é cega. A TV Campo Grande (SBT), todo ano faz uma vinheta homenageando o aniversário da cidade (que acontece em agosto). Fala dos imigrantes, da diversidade de raças, etc., enfim, a demagogia barata de sempre. Neste ano, porém, faz “homenagem” ao aniversário da cidade… no final de setembro (com 1 mês de atraso). E ao invés de insinuar que a cidade deve tudo o que tem aos imigrantes (parece que não existem brasileiros por aqui), só fala de obras . . . tocadas pela atual administração. Nenhum herói de terras distantes; só obras atuais ou futuras da prefeitura. Isto reforça ainda mais, e deslealmente, a campanha do candidato que já está eleito desde janeiro deste ano (nem precisaria haver eleições!).

2. Este blog não se manifestou a favor deste ou daquele candidato, e nem entrevistou candidatos alternativos (como queria), devido à anti-democrática “Lei da Mordaça” imposta pela JE. Entretanto, há muitos sites e blogs em Campo Grande fazendo apologia e aberta propaganda. . . dos candidatos da coligação vitoriosa-por-antecipação. Outra cegueira da JE.

Anúncios

Uma resposta to “O Que é “Votar Certo””

  1. roselene duarte Says:

    interessante o debate dos politicos de Campo Grande, essa elite não engana a mais ninguém! parabéns pelos comentários afiados; é assim mesmo que eles merecem ser tratados.

Os comentários estão desativados.


%d blogueiros gostam disto: