Encantos do Parque NI

Todo logradouro público com nome extenso merece uma abreviação. No caso do Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande – MS, poderia ser as suas iniciais, N e I, ou “Ni”. É fácil e carinhoso. Ni, portanto.

O Parque Ni, de manhã cedo (e provavelmente à tardezinha) tem múltiplos encantos. Desde as paisagens onde os espigões ajudam a compor harmoniosamente o quadro, até as pequenas surpresas, tais como flagrar mamãe capivara dando de mamar aos filhotes ou poder aproximar-se de uma ave desconhecida de bela plumagem. Além, é claro, do bom exercício das caminhadas e o encontro com pessoas (gentis, umas, reservadas, outras) simpáticas e solidárias.

As fotos abaixo foram “tiradas” na manhã do dia 07 de março de 2008. Todas, com exceção da foto do quero-quero, podem ser vistas em versão original (basta clicar na foto desejada), com resolução de 1600 x 1200 pixels. Das aves e animais encontrados pelo blogueiro, aparecem aqui o quero-quero e a ave desconhecida citada acima; foram vistos, também, e fotografados, vários mutuns e um bem-te-vi. Entre os animais, aqui só aparece uma cotia. As capivaras merecerão, por estes dias, uma página especial.

parque_ni_06
Aqui, natureza e construções compõem um belo cenário.

.

parque_ni_08
Um lindo arvoredo.

.

parque_ni_09
O guerreiro guaicuru. Escultura de  Anor Mendes.

.

parque_ni_10
Que pássaro é este? Tem o tamanho de um frango.

P.S. — 09/abril/2008. Trata-se de um Socó-Boi. Ordem Ciconiiformes, família Ardeidae, gênero Tigrisoma. Nome científico, Tigrisoma Lineatum, Boddaert, 1783. Esse “boi” do nome é porque seu grito é igual a um mugido de boi.

.

cotia_01
Há quem veja semelhanças entre cotia (nesta foto) e capivara. As cotias são bem menores, com um focinho mais pontudo (contra o focinho “quadrado” das capivaras), são mais gordas na parte traseira e muito mais ariscas.

.

quero-quero
Quero-quero (nome científico, Belonopterus Chilensis Lampronotus), uma ave também muito arisca.

Outras fotos do Parque das Nações Indígenas:

No Parque NI (01): 13 fotos;
No Parque NI (02): 21 fotos;
No Parque NI (03): 12 fotos;
No Parque NI (04): 18 fotos;
No Parque NI (05): 14 fotos.

timblindim

Anúncios

4 Respostas to “Encantos do Parque NI”

  1. roselene duarte Says:

    tenho uma curiosidade: quem é esse guerreiro guaicuru? a estátua está muito bonita, parece um índio!, qual é a estória a respeito desse personagem? nem parece que sou matogrossense!!.
    __________

    Do Blog: Roselene. O livro “História de Mato Grosso do Sul”, de Hildebrando Campestrini e Acyr Vaz Guimarães, conta o seguinte, relativo ao Mato Grosso do século 18:

    “Ao longo do Taquari, ao leste do Rio Paraguai, os Guaicurus, índios cavaleiros, atacavam freqüentemente as monções mas os viajantes aprenderam que, ganhando alguma mata ou águas profundas, facilmente se livrariam deles.

    “A partir de 1725, os Paiaguás, índios canoeiros, passaram a perseguir com sucesso as grandes monções, principalmente as que desciam com ouro; como canoeiros, lutando sobre a água, venciam sempre, porque suas canoas eram pequenas e facilmente manobradas na abordagem aos pesados canoões dos monçoeiros.

    “Com os freqüentes ataques dos Paiaguás, as autoridades das minas, em 1740, fizeram um aceno de amizade aos Guaicurus, oferecendo-lhes numerosos cavalos para, em troca, declararem guerra aos índios canoeiros, que assim, aos poucos, foram dominados, tornando-se os Guaicurus amigos dos portugueses.”

    Naquele tempo, esclareço eu, a ligação entre a capitania de São Paulo e Cuiabá (na época região aurífera) se fazia pelos rios Tietê (em São Paulo), Paraná, Verde (ou Pardo), um pequeno trecho por terras de Camapuã, e em seguida pelos rios Taquari, Paraguai e Cuiabá.

  2. roselene duarte Says:

    obrigada pela informacao, interessante, voce acha que ainda existe alguns descendentes dessa tribo guicurus? ou tudo se foi com o tempo.
    ________
    Roselene. Os Guaicurus parecem extintos. Só se lê relatos sobre eles em livros de História. Se bem que, recentemente, foram descobertos os últimos remanescentes de uma outra tribo, os Guatós, lá no chifrinho esquerdo de Mato Grosso do Sul (divisa com Mato Grosso e fronteira com a Bolívia).

  3. rodrigo pereira Says:

    Olá, estamos montando uma animação em flash para a FIEMS, é o Hino de Mato Grosso do Sul, cantado por um artista regional, e algumas fotos ilustrando a letra. Gostaria de saber se podemos utilizar a foto do Guaicuru neste projeto, pois em certo momento o hino remete a eles.
    _____
    resposta do blog:
    Autorizamos, com prazer. Mas gostaríamos que, se houver espaço para créditos, a fonte da foto fosse citada.

  4. Mikaela Says:

    gostei muito bjs
    _____
    do blog:
    Obrigado, Mikaela!

Comentários encerrados.


%d blogueiros gostam disto: